quarta-feira, 5 de outubro de 2005

Wooosh!

Pois é, dei uma sumida!
Achei que eu ia ter mais tempo pra mexer nesse blog, mas tempo é uma coisa que está ficando cada vez mais rara.
Agora por exemplo, estou aqui, quando deveria estar dormindo já que vou ter que levantar às 6:30 pra chegar cedo e acertar algumas coisas lá no Positivo amanhã.

Além da correria, minha tireóide deu pra ter uns "piriris", achou que estava solitária e resolveu inventar de criar uns nódulos pra fazer companhia. Como isso não é muito normal, estou fazendo vários exames pra ver o que é.
Dá um pouco de medo, mas agora é só esperar pelo resultado dos exames pra ver o que é com certeza. Pra ser sincero, dá bastante medo hehe, mas o susto já está passando e agora vi que não adianta me preocupar. Tem que esperar pra ver o resultado e aí então, resolver o que fazer!

Ontem foi um dia peculiar, pois foi um dia super corrido e, depois de dar um jeito nas coisas que eu tinha que fazer no trabalho, fui fazer um exame no meio da tarde. O nome da joça do exame, "punção de tireóide", já é uma coisa que me deixou assim, super "relaxado" hahaha. Só ficava pensando como é que ia ser a tal da punção, já que eu não tinha muita noção de como ele seria feito, além da orientação que recebi do médico de que seria simples: insere uma seringa no pescoço, na tireóide, e "chupa" um pouco de material de dentro do nódulo! Naaaada assustador, né?
Então, pra fechar com chave de ouro, três enfermeiras que me atenderam antes do médico eram de um tato, de uma gentileza sem igual. hahaha
A primeira com um mau-humor de dar vontade de pedir desculpas por ter interrompido a conversa dela no telefone, marcando a escova no cabelo pro casamento da prima no próximo sábado, pra ter que me atender. Afinal, porque é que eu tinha que chegar pra atrapalhar justo naquela hora. Imperdoável...
A segunda, um doce de criatura. Só consegui ver seus olhinhos afáveis quando ela levantou a cabecinha, um pouco contrariada, depois que eu caí na asneira de pedir um atestado médico pra apresentar no trabalho. Ela foi de uma gentileza monossilábica, e por fim, questionou minha masculinidade quando me deu um atestado informando que a Sra. Carlos Wavel Chaves Filho havia estado na clínica à tarde para exames ecográficos. Talvez eu esteja grávido e ainda não saiba.
Pra terminar, veio a terceira enfermeira, pra fazer a preparação do procedimento. Extremamente hábil com as palavras, me explicou que quando o doutor "enfiasse" a injeção, eu não podia me mexer, senão entrava ar e ele ia ter que fazer tudo de novo. E que dói, mas é suportável. E que depois o doutor ia entrar e explicar tudo de novo, mas ela só queria ir adiantando pra mim. Depois de várias outras palavras tranquilizantes, ela saiu, e depois de uma meia hora, finalmente, fiz o tal exame.

Dói? Sim, dói.
É suportável? Depende da sua tolerância pra dor, mas dá pra aguentar sim.

O que é mesmo difícil de aguentar é tanta gente burra pelo caminho!!! hahaha
Sou ruim? Talvez! Porque pessoa boa mesmo era Madre Tereza!!!