quinta-feira, 23 de agosto de 2012

40 anos em 5

O Excelentíssimo Senhor Ex-Presidente Juscelino Kubitschek, também conhecido pela alcunha de JK, tem aparecido bastante no meu caminho no último mês. Falei e troquei mensagens com amigos em Brasília, passei algumas vezes pela Avenida JK em São Paulo e vi que o furdunço de troca de mãos e sentidos de vias foi enorme, e também fui conhecer o novo shopping de luxo da cidade, que leva o nome dele (só que, com certeza, o batismo foi inspirado pela avenida, desta vez).

 E quando fui buscar inspiração pra escrever este post, as ideias apareceram em torno dele.
Ah, adivinha: ele é virginiano como eu, mas nascido em 12 de setembro (de 1902).

O slogan "50 anos em 5" surgiu devido ao Plano de Metas estabelecido em seu governo entre 1951 e 1955, que queria colocar o Brasil em movimento e fomentar o progresso. Eram inicialmente 30 metas, depois 31, e eu não vou me alongar nisso porque a aula de história acabou. Quem quiser detalhes, clica ali nos links que eu indique no texto que são interessantes.
Mas continuemos a conversa.

Fazer 40 é diferente.
Eu admito que não achava que seria muita coisa, mas 40 parece que é mesmo um marco na vida.
Primeiro, tem uma sensação que se você não acertou até aqui, sinto muito, lindão, lindona, mas você perdeu o bonde.
Fazer 40 vem com um sentimento de que coisas na vida precisam estar completas ou muito bem encaminhadas, porque você chegou no ápice dela.
Com 40, você está maduro e por isso, começa a hora de colher.

Claro, essa maturidade pode vir antes ou depois, vai depender da pessoa e do que aconteceu com ela, mas eu finalmente me sinto maduro agora que cheguei aqui.
Os últimos 10 anos foram marcantes e os 5 recentes foram os que me fizeram mesmo deixar de ser menino e passar a ser homem. Cheguei aos 40 anos, em 5.
Nessa década, eu casei; E depois separei; O João Victor, meu sobrinho, nasceu e redefiniu várias das minhas prioridades; A vida mudou, o trabalho mudou e a forma de encarar ambos mudou para acompanhar o ritmo; Eu criei novos trabalhos, ensinei pessoas, eduquei pessoas; Casei e separei de novo (doido isso); Mudei de endereço em Curitiba, depois mudei de cidade e mudei mais 4 ou 5 vezes de endereço em São Paulo, pra daí, voltar a morar em Curitiba, ao menos por enquanto. E eu podia listar um infinito de coisas que aconteceram, mas o que eu quero mesmo dizer é que fazer 40 é forte, é marcante, mas nem por isso, é pesado.
É a hora de perceber que se fez o melhor que pode até ali, e que o que vem pela frente será tão mais simples do que parecia antigamente...
É o momento de acertar ponteiros com o que se consegue, fechar pendências que assim permitem e seguir em frente.
Se não acertou até aqui, calma. Ninguém perdeu bonde, porque sempre tem outro passando. Abre o olho, planeja ao menos um pouco, toma o próximo e toca adiante.

Escrevi pra festejar.
Celebrar aniversário é comemorar que se está vivo e, assim sendo:
Viva!

O menino na foto já sabia contar mais do que 10, mas não entenderia o que 40 anos significariam.
Alguém avisa pra ele que ele vai estar feliz.
Ele ainda não vai entender o que isso quer dizer, mas vai abrir um sorriso que vai deixar seu coração mole.