segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Desde que eu vim morar nos seus olhos

Tem vezes que a gente acha que não tem mais poesia, que a graça nas coisas não aparece mais.
Aí surge o inesperado e te mostra essa música da Adriana Calcanhoto, cantada pela Maria Bethânia, e chacoalha você, lhe desarma.
Definitivamente, preciso baixar a guarda e deixar isso acontecer mais vezes.

Pra agradecer, eu compartilho.

Tem no youtube, ouça:
O link do youtube está aqui.

Âmbar  (Adriana Calcanhoto)
Tá tudo aceso em mim
Tá tudo assim, tão claro
Tá tudo brilhando em mim
Tudo ligado
Como se eu fosse um morro iluminado
Por um âmbar elétrico
Que vazasse nos prédios
E banhasse a lagoa até São Conrado
E ganhasse as canoas

Aqui do outro lado

Tudo plugado
Tudo me ardendo
Tá tudo assim, queimando em mim
Como salva de fogos
Desde que, sim, eu vim,
Morar nos seus olhos

"Eu quero um colo, um berço, um braço quente em torno ao meu pescoço. Uma voz que cante baixo e pareça querer me fazer chorar. Eu quero um calor no inverno, um extravio morno de minha consciência e depois sem som, um sonho calmo, um espaço enorme, como a lua rodando entre as estrelas."

Trecho do Livro do Desassossego, Fernando Pessoa